VÍDEOS DO GRÃO MESTRE ITAGIBA VITORIO

Loading...

Quem sou eu

Minha foto
Doutor Honóris Causa em Educação e Artes Marciais o Grão Mestre Itagiba Vitorio é brasileiro, natural de Santana do Livramento/ RS, filho de Vitório Vieira Dias e Terezinha da Silva Dias, nasceu no ano de 1965. Mestre de Taekwondo e Hapkido, Profissional de Educação Física, Jornalista Profissional, Bacharel em Filosofia Organizacional e Policial Militar inativo Brigada Militar). Iniciou a Pratica nas artes marciais em 1982 Na cidade de Passo de Los Libres-Argentina. Formou-se Faixa Preta em 1988. No ano de 1999 e 2000 foi um dos fundadores da WSHF (World Sports Hapkido Federation) juntamente com Grão Mestre Kang, criando em 2001 a Federação Rio Grandense de Hapkido. O Mestre Itagiba Vitorio no ano de 1995 deu inicio ao Projeto Taekwondo Educar no Ginásio Nenezão na cidade de Sapiranga e no ano de 2000 começou o Projeto Hapkido Educar na Escola Frederico Linck na cidade de Guaíba.

terça-feira, 17 de março de 2015

PROFISSÕES

Sigo na vida rigorosamente os cinco juramentos abaixo, levo para a vida os ensinamentos de ser um faixa preta (Mestre), de ter sido um policial militar "inativo" (Brigada Militar), sempre servindo e protegendo, ser ético, assumir compromisso com a verdade e dignificar minha profissão.

FAIXA PRETA
- Juro manter sempre o espírito, não parando de treinar até o fim da minha existência
- Juro cumprir o regulamento, procurando jamais errar, porque sou Faixa Preta;
- Juro respeitar e obedecer por toda minha existência à pessoa e os ensinamentos do meu Mestre
- Juro respeitar e obedecer sempre os mais graduados do que eu e tratar com amor e carinho os menos graduados.

POLICIA MILITAR
Para servir e proteger

FILOSOFIA
Repletos de indagações diante de um mundo ao mesmo tempo maravilhoso e complexo, que a filosofia, desprovida de qualquer caráter messiânico, seja um constante questionar, uma incessante busca por verdades não-absolutas, um compromisso de usar o saber em proveito do homem - caminhando sempre com a originalidade dos antigos, a racionalidade dos modernos e os questionamentos dos contemporâneos. A filosofia começa no assombro, no maravilhar-se. Que nos encantemos então no dia-a-dia, cada vez mais, para que possamos discutir, argumentar e debater com coerência. E que compartilhemos desta busca pela verdade com os desconhecidos, os conhecidos, e especialmente com nossos futuros pupilos.



JORNALISMO

Juro, no exercício das funções de meu grau, assumir meu compromisso com a verdade e com a informação. Juro empenhar todos os meus atos e palavras, meus esforços e meus conhecimentos para a construção de uma nação consciente de sua história e de sua capacidade. Juro, no exercício do meu dever profissional, não omitir, não mentir e não distorcer informações, não manipular dados e, acima de tudo, não subordinar em favor de interesses pessoais o direito do cidadão à informação.

EDUCAÇÃO FÍSICA
Prometo dignificar minha profissão, consciente de minhas responsabilidades legais, observar o código de ética, 
objetivando o aperfeiçoamento da ciência da educação, o desenvolvimento das instituições e a grandeza do homem e da prática

domingo, 15 de dezembro de 2013

PRÊMIO MÉRITO ESPORTIVO – ESTRELAS DO ESPORTE


Durante a entrega do Prêmio Destaque AFERS
Na noite de quinta feira (12) dezembro foi realizado o Prêmio Mérito Esportivo Estrelas do Esporte no Teatro São Pedro, o evento foi promovido pela AFERS (Associação das Federações do Rio Grande do Sul), SEL (Secretaria de Esportes e Laser do Estado), FUNDERGS (Fundação de Esportes do Estado do Rio Grande do Sul) e apoio do Governo do Estado. O evento aconteceu em diversas modalidades, onde foram agraciados atletas, árbitros, entidades, apoiadores e federações destaques no ano de 2013. Durante a solenidade foi anunciado o Bolsa atleta estadual para atletas e técnicos. A Federação Rio Grandense de Hapkido FRHO recebeu pelo terceiro ano consecutivo o PRÊMIO DESTAQUE AFERS 2013, escolha esta que deixou a Federação em 5º lugar entre as 92 federações concorrentes, a FRHO se destacou pelo Projeto Hapkido Educar e por ter atletas campões na categoria internacional, entre os quais, Mundial de Hapkido, Jogos Mundiais, Sul Americano e Pan Americano.
 
Atletas do Judô e do Hapkido em confraternização antes do início do evento
Para concorrerem, as federações tiveram de seguir os itens abaixo:
a) promoveu e executou eventos internacionais no RS.
b) promoveu e executou eventos nacionais no RS.
c) promoveu eventos estaduais
f) Teve atleta Olímpico em 2012
g) Teve medalhistas internacionais
h) Teve Medalhistas nacionais
 
Todos os agraciados
As 10 Federações que alcançaram mais pontos e que estavam em dia com AFERS concorreram ao Prêmio AFERS 2013.
Abaixo a lista das Federações Destaque AFERS
01 Federação Gaúcha de Voleibol – FGV

02 Federação Gaucha de Vela
03 Federação Gaúcha de Judô FGJ
04 Federação de Atletismo do RS FAERGS
05 Federação Rio Grandense de Hapkido FRHO
06 Federação Rio Grandense de Esgrima
07 Federação Gaúcha de Badminton FGbad
08 Federação Gaúcha de Rugby – FGR
09 Federação Universitária Gaúcha de Esportes FUGE

10 Federação Gaúcha de Futebol Sete – FGFS
Abraço,
Equipe da Federação Rio Grandense de Hapkido presente no evento
O evento foi transmitido ao vivo pela Rádio Gaúcha e teve como mestres de cerimonia o Presidente da AFERS Nelson Ilha, o Secretário de Esportes do Estado Kalil Sehbe e a nova Embaixadora do Esporte no Estado a ex-ginasta Daiane dos Santos.
Grão Mestre Paulo Toledo, Grão Mestre Itagiba Vitorio e Mestre Julio Barbosa com os troféus

sábado, 14 de dezembro de 2013

HOMENAGEM DESTAQUE ESPORTIVO 2013

Na foto acima: Autoridades, apoiadores, divulgadores e colaboradores do Hapkido
A partir deste ano todos os meses de Dezembro a Federação Rio Grandense de Hapkido, homenageará aqueles que mais se destacaram, levando o nome do Hapkido Gaúcho, auxiliando e prestando relevantes serviços a nossa Arte Marcial Milenar. A premiação será nas seguintes categorias:
Categoria Projeto Social;
Categoria Administração;
Categoria Campeão Internacional;
Categoria apoio e colaborador.
Receberam os certificados de Mérito Esportivo aquelas pessoas que ajudaram a divulgar o Hapkido Gaúcho, através de títulos, envolvimento com a sociedade, administração e divulgação da arte e apoio.

Na categoria Campeão Internacional - Os homenageados foram atletas da faixa marrom para cima, professores faixas pretas e mestres que obtiveram o titulo de campeão em eventos sul americanos, latino americanos, pan-americanos e Mundial. Em 2012 duas ou mais participações e 2013 até uma participação.
Na categoria projeto social e administração - Professores e Mestres que tenham pleno destaque nestas modalidades.
Na categoria apoio e colaborador - Cidadãos, empresários e figuras públicas.
 
Mestres e Professores e atletas homenageados
A partir de 2014 só receberão o certificado de destaques os atletas, professores e mestres que tiverem um destaque nas categorias acima no ano do exercício legal.

O evento foi na quinta feira dia 12 de dezembro de 2013 às 15 horas no auditório da Secretaria Municipal de Esportes na Av. Érico Verissimo 843.

Segue a lista abaixo dos agraciados:

CATEGORIA PROJETO SOCIAL (Faixas Pretas e Mestres que dedicam-se a vários anos se doando ao Projeto Hapkido educar).

Grão Mestre Paulo Toledo (Responsável pelo Projeto Hapkido Educar e Projeto Pernalonga na região Noroeste do Estado).
Professor Alexandre Marques da Silva (Responsável pelo bom andamento do Projeto Hapkido Educar na ACM VRO e CETE).
Professor Luiz Augusto da Rosa Garais (Responsável pelo Projeto Hapkido Educar e Hapkido Integração na cidade de Quaraí).
Professor Hicaro Alexandre Rodrigues (Responsável pelo Projeto Hapkido Educar no Instituto Integração na Vila Cruzeiro).

CATEGORIA ADMINISTRAÇÃO (Faixas Pretas e Mestre que trabalham em suas regiões divulgando a arte marcial Hapkido e ampliando os horizontes em suas áreas de atuação).
 
Mestre Julio Barbosa de Uruguaiana e Grão Mestre Paulo Toledo de Soledade, administradores em destaque
Grão Mestre Paulo Toledo (Responsável pelo Hapkido na Região Noroeste).
Mestre Julio Cezar Alves Barbosa (Responsável pelo Hapkido na Região da Fronteira Oeste).
Professor Paulo Marin (Responsável pela divulgação do Hapkido na Região do Paranhana).

CATEGORIA APOIO (Cidadãos, Empresários ou Figuras Públicas que ajudam no apoio expansão e divulgação da arte marcial Hapkido).

Kalil Sehbe Neto (Secretário de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul e apoiador do Hapkido).
Edgar Meurer (Secretário Municipal de Esportes de Porto Alegre e apoiador do HapkidoHapkidoH).
Renita Dametto (Presidente da FUNDERGS e apoiadora do Hapkido).
Angela Aguiar (Coordenadora da Área de Desenvolvimento Social da ACM e incentivadora do Hapkido)
Cleizi Zanatte (Coordenadora do Programa RS na Paz através da SEL e incentivadora do Hapkido).
Janice Cardoso (Projeto Interagir e incentivadora do Hapkido)
Nelson Horn Ilha (Presidente da AFERS e incentivador do Hapkido)
Atleta Mosiah Rodrigues (apoiador e divulgador do Hapkido junto ao Ministério do Esporte).
Vereador João Derly (apoiador e mentor da data, dia oficial do Hapkido em Porto Alegre)
Jari Filho (Coordenador de Educação Física do CETE e apoiador do Hapkido).
Lucia Goulart (divulgadora do Hapkido através da Escola União da Tinga).
Selma Bizarro de Oliveira (divulgadora do Hapkido através da Associação Estrela Gaúcha na Lomba do Pinheiro).
Zeila Viviam Iessim (Apoiadora e divulgadora do Hapkido através dos pais no CETE).
João Pedro Duarte Lopes (Apoiador e incentivador do Hapkido no CETE).
João Carlos Cardozo (Apoiador e divulgador do Hapkido na Escola Prudente de Morais).
Franco Bracelis Santana (Designer Gráfico, colaborador e divulgador do Hapkido).
Pércio Sant’Ana de Oliveira ( Colaborador Voluntário e divulgador do Hapkido).
Silmara Aparecida Ribeiro ( Colaborador Voluntário e divulgador do Hapkido).
Carlos Eduardo de Souza ( Colaborador Voluntário e divulgador do Hapkido).
Jorge Rodrigues ( Colaborador Voluntário e divulgador do Hapkido).
Fatima Severo da Mota ( Colaborador e divulgador do Hapkido).
Bianca Rosa Motta ( Colaborador e divulgador do Hapkido).

                                     
CATEGORIA CAMPEÃO INTERNACIONAL DE HAPKIDO (Atletas da graduação marrom para cima, que sagram-se campeões da modalidade Hapkido nos anos de 2012 e 2013).

Lidiane Severo da Mota – 3 medalhas de ouro no Mundial WSHF 12 e 13 de maio de 2012, 2 medalhas de ouro no Latino Americano, 11 de novembro de 2012, 2 medalhas de ouro no Mundial WSHF 2013.
Camile Simões Fraga - 3 medalhas de ouro no Mundial WSHF 12 e 13 de maio de 2012, 2 medalhas de ouro no Latino Americano, 11 de novembro de 2012
Matheus Iessim de Oliveira - 1 medalha de ouro no Mundial WSHF 12 e 13 de maio de 2012, 2 medalhas de ouro no Latino Americano, 11 de novembro de 2012, 1 Medalha de ouro no Sul Americano 15 de Novembro de 2013, Medalha de Ouro no Panamericano 16 de novembro de 2013
Antonio Sidinei Correa de Oliveira - 1 medalha de ouro, no Mundial WSHF 12 e 13 de maio de 2012, 1 medalhas de ouro no Latino Americano, 11 de novembro de 2012
André Lucas Crestani de Camargo – 2 medalhas de ouro no Latino Americano, 11 de novembro de 2012, 2 medalhas de outro no Sul americano 15 de novembro de 2013
José Paulo da Silva Reis Junior - 1 medalhas de ouro no Mundial WSHF 2013.
Jayme Quint Neto Demarco – 1 medalha de ouro nos Jogos Mundiais, Cali 2013.
Guilherme Marin – 1 medalha de ouro no Panamericano 16 de novembro de 2013.
Dennis Martins Dellamora Garcia - 1 medalha de ouro no Panamericano 16 de novembro de 2013




domingo, 8 de dezembro de 2013

EXAME DE FAIXA EM QUARAI DEZEMBRO DE 2013

Mais um grande evento de Hapkido na cidade de Quaraí, exame de Graduação dos alunos da Academia KIDO Quaraí, Hwarang e alunos oriundos de projetos sociais de escolas publicas de Quaraí e Artigas Uruguai, evento que contou com a presença do Mestre Julio Barbosa, superintendente da Federação Rio Grandese de Hapkido na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul e Mestre Examinador, do Prefeito Municipal Ricardo Olaechea Gadret e do secretário de Esporte e lazer daquela cidade, os alunos participantes foram treinados pelo Professor Luiz Grais e Leonardo Souza, felicidades aos novos graduados!!!


                                                Autoridades presente no Exame de Faixa na cidade de Quarai
Na foto abaixo Brasil e Uruguai juntos no exame em Quaraí...essa é a força do Hapkido na Fronteira Oestre do estado, mostrando a confraternização entre os dois países irmãos!

                                                       Brasil e Uruguai juntos

HAPKIDO NO TERRITÓRIO DA PAZ



 A foto acima alto, na aula inaugural, ainda sem os tatames e a baixo com os tatames e uniformes na União da Tinga.

Com uma parceria inédita da Federação Rio Grandense Hapkido (FRHO), da FUNDERGS (Fundação de Esportes e Lazer do RS), da SEL (Secretaria Estadual do Esporte e do Lazer) e a Sociedade Recreativa União da Tinga e Associação Estrela Gaúcha foram iniciadas as aulas do Projeto Hapkido Educar dentro do Programa RSNAPAZ da Secretaria de Segurança Pública no mês de maio na Escola União da Tinga no Bairro Restinga (Rua Alvaro Difini, 380) e no mês de Junho no CRAS da Lomba do Pinheiro. As aulas são ministradas nas terças e quintas-feiras pela manhã das 9h às 11h, e à tarde, das 15h às 17h com duas turmas pela manhã e duas turmas pela tarde, conforme o turno inverso dos alunos nas escolas. O projeto é destinado a crianças, adolescentes e jovens a partir dos seis anos, das escolas públicas e público em geral. Conforme o secretário do Esporte e do Lazer Kalil Sehbe, “o estado precisa de politicas públicas como estas, que levam para as comunidades os esportes e através destes contribuem na formação do cidadão.”
Quero deixar meu agradecimento à incansável Profª Cleizi Zanatte que idealizou essa parceria. “Estamos no caminho certo, buscando reduzir o tempo ocioso desses alunos e propiciando as artes marciais para aqueles que não têm condições de pagar”, comenta o Grão Mestre Itagiba Vitorio.
 

As aulas do Projeto Hapkido Educar são coordenadas e supervisionadas pelo Grão Mestre Itagiba Vitorio, presidente da Federação Rio Grandense de Hapkido. Na União da Tinga e ministradas pelo professor da própria comunidade José Paulo que é oriundo do Projeto e no CRAS da Lomba do Pinheiro pela manha o Monitor Carlos Eduardo e a tarde o Monitor Jorge Rodrigues.Os alunos estão aceitando bem o Hapkido e já começam a mostrar mudanças benéficas de comportamento em ambas as unidades ressalta o Mestre Itagiba Vitorio.

Acima, 2ª turma da manhã e abaixo, 2ª turma da tarde na Lomba do Pinheiro

As aulas são ministradas para toda a comunidade restinguense e da Lomba do Pinheiro gratuitamente. As inscrições são feita nos locais nos dias de aula.


BRASILIENSE VENCE OS 400 METROS NA CATEGORIA 40 ANOS


Carneirinho: Primeira participação no Mundial Master, conquistou seu 1º ouro
Campeão dos 400 metros rasos na categoria 40 a 44 anos, Marcio Wandré Morais de Oliveira ou simplesmente Carneirinho, 38 anos, natural de Teresina-PI e morador de Brasília, para onde se mudou com os pais na sua infância, venceu a prova com o tempo de 51, 76 segundos. “Considero-me brasiliense, pois fui ainda bebê morar com os meus pais e lá foi onde eu despontei para o esporte”, completa o atleta. Carneirinho, que já participou várias vezes do Troféu Brasil e do Grand Prix Nacional de atletismo e ficou sempre entre as cinco melhores marcas nos 400 e 800 metros rasos. Também tem no currículo o Campeonato Íbero Americano e a Universíade de 1999 em Mayorca na Espanha. Seu nome também aparece na Confederação Brasileira de Atletismo entre as 20 melhores marcas dos 800 metros de todos os tempos.

Carneirinho, que veio de cinco lesões durante esse ano, estava prestes a não competir mais nesse período. Impulsionado por um amigo seu, acabou participando pela primeira vez do Mundial de Atletismo Master, onde conquistou seu primeiro ouro. O atleta também garantiu a prata nos 800 metros e no domingo às 15 horas e 43 minutos, participa do revezamento 4x400 defendendo a equipe do Brasil.
Carneirinho com seus colegas de prova que ficaram em 2º e 4º lugar nos 400 
Acompanhado de seu filho Marcos Vinicius de 2 anos e 4 meses, Carneirinho comenta que o ritmo das competições estava muito forte, para os 40 anos. “Na eliminatória de ontem, fiz um tempo melhor com a marca de 51,49 segundos, hoje sai muito forte nos primeiros 200 metros e faltou perna na chegada, por isso fiz os 51, 76 segundos” finaliza.
Marcio Wandré tem como suas melhores marcas os tempos de 47,23 segundos nos 400 metros conquistado na cidade de Curitiba e nos 800 metros 1,46 minutos na pista da Unisinos, na cidade de São Leopoldo, no ano de 1998.


Texto e Fotos:
Itagiba Vitorio MTB 15079 Jornalista Voluntário WMA 2013

A EXPERIÊNCIA OBSERVANDO AS PROVAS DE ATLETISMO / La experiencia observando las pruebas de atletismo


Com seu cronometro na mão, Pinheiro marca
o tempo dos atletas nas corridas de pista
Trabalhando no credenciamento no setor de confirmação de provas do 20º Mundial de Atletismo Master e, nos tempos vagos, com o seu cronometro na mão observando e aferindo o tempo dos atletas nas competições de pista no CETE (Centro Estadual de Treinamento Esportivo). Assim é a rotina do professor de Educação Física Carlos Pinheiro, 61 anos, durante o Mundial. Técnico de atletismo há trinta e sete anos, ele possui uma vasta experiência na formação de campeões. Passando pelos clubes Aimoré de São Leopoldo, a extinta Associação Comunitária Sul Brasileiro, ACDUFRGS e hoje trabalhando no CETE, Pinheiro já treinou atletas destaques de nível brasileiro e internacional, entre os quais estão: Euclides Fajardo dos 5, 10 mil e rústica, Lucia Grews e Maria Alice Levien recordista brasileira dos 100 metros rasos.

Por ele também passaram os arremessadores de peso Fernando Giongo (já falecido) e Luciano Bet, os quais fizeram parte da equipe da Coca-Cola juntamente com os atletas Joaquim Cruz e Zequinha Barbosa. Mas, dentre todos estes quem se destacou foi Monica Rusch, descoberta nos JERGS (Jogos Estaduais do Rio Grande do Jul). Monica sagrou-se campeã brasileira e sul americana no Heptatlo. Para o observador Pinheiro as primeiras colocações em cada modalidade do 20º Mundial de Atletismo Master são muito fortes, até porque têm atletas nas faixas dos 35 e 40 anos correndo como adulto. “O Atletismo Master tinha que ser acima dos quarenta anos, abaixo dessas idades tem gente participando de provas com um tempo surpreendente”, afirma o professor. 
A esquerda de Amarelo e boné preto, Pinheiro afere a marca dos 1500 metros

Pinheiro acredita que o mais importante nas competições Master, tanto de atletismo, quanto de natação, é a participação, integração e a sociabilização entre os atletas, até porque a maioria participa sem vínculos com clubes e entidades. Muitos nunca tiveram chance de participar de competições no juvenil e adulto, e o Master dá essa oportunidade. Os brasileiros ainda têm muito que aprender para participar destes eventos de atletismo, nosso povo ainda não tem essa cultura, além disso, são quatorze categorias e vinte e uma provas, é um evento muito complexo que exige um quadro muito grande de árbitros qualificados, materiais de apoio e voluntariado”, relata o experiente e ex-organizador dos JERGS.

O professor acredita que temos de aprender com os erros e acertos de um evento como esse, para que no futuro, possamos fazer melhores ainda. A festa é bonita, mas temos de fazer avaliações, legados bons vão ficar e um destes legados é a maravilhosa pista de atletismo do CETE”, encerra Pinheiro.

Texto: Itagiba Vitorio MTB 15079, Jornalista Voluntário do WMA 2013
Fotos: Andrea Francis MTB 12010




La experiencia observando
las pruebas de atletismo


Trabajando en la acreditación del sector de confirmación de pruebas del 20º Mundial de Atletismo Master, en el tiempo libre con su cronometro en la mano, observa y confire los tiempos de los atletas en las competiciones de pista en el CETE. Así es la rutina del profesor de Educación Física Carlos Pinheiro, 61, técnico de atletismo hace 37 años, con una gran experiencia en la formación de campeones.

Con trayectoria en el club Aimoré de la ciudad de São Leopoldo , la extinta Associação Comunitária Sul Brasileiro, ACDUFRGS, y hoy trabajando en el CETE, Pinheiro ya entrenó atletas destaques en los niveles nacionales e internacionales, entre los cuales tenemos Euclides Fajardo (de los 5000m, 10.000m), Lucia Grews y Maria Alice Levien, recordista brasileña de los 100m lisos. También pasaran los lanzadores de pesos Fernando Giongo, ya fallecido, y Luciano Bet, los cuales hicieron parte del equipo Coca-Cola, juntamente con los atletas Joaquim Cruz y Zequinha Barbosa. Pero entre todos, quien más se destacó fue Monica Rusch, descubierta en los Juegos Estaduales de Rio Grande do Sul (JERGS), donde fue campeona brasileña y sudamericana en el Heptatlón.

Para el observador Pinheiro, los primeros puestos en cada modalidad del 20º Mundial de Atletismo Master son muy fuertes, puesto que hay atletas en la franja de edad de los 35 hasta 40 años corriendo como la categoría adulta. “El Atletismo Master debería ser para gente con más de 40 años. Abajo de esa edad, hay gente participando de las pruebas con tiempos sorprendentes”, afirmo el profesor.

Pinheiro cree que lo más importante en las competiciones Master, no solo de atletismo pero también de natación, es la participación, integración y sociabilización entre los atletas, una vez que la mayoría participa sin ser miembro de clubes o entidades.
“Muchos nunca tuvieron la chance de participar de competiciones juveniles y adultas, y el Master ofrece esa oportunidad. Los brasileños todavía tienen mucho que aprender para participar de ese tipo de evento de atletismo, nuestra gente aún no tiene esa cultura y, además, son 14 categorías y 21 pruebas. Es un evento muy complejo que exige un cuadro muy grande de árbitros calificados, material de apoyo y voluntarios”, relató el experimentado y ex organizador de los JERGS.

El profesor cree que tenemos que aprender con los errores y aciertos de un evento como ese, para que, en el futuro, si pueda hacer eventos todavía mejores. “La fiesta es bonita, pero tenemos que hacer evaluaciones. Legados buenos quedan, y uno de estos legados es la maravillosa pista de atletismo del CETE”, finalizó Pinheiro.

Traducción: Soraya Bertoncello

DE MORADORA DE RUA E TRAFICANTE À ATLETA LAUREADA / De sin techo y traficante a atleta galardonada


Animal: uma atleta que venceu as ruas e a droga
“Comecei correndo da Polícia, depois corri nas ruas, morei na FEBEM dezoito anos, fui moradora de rua mais vinte anos, traficante e ladra e ai de ti que não coloque isso no texto, porque não renego meu passado”. Assim começou a apresentação de Ana Luiza dos Anjos Garcez, 51 anos, conhecida como Animal ou simplesmente Tia Punk, natural de São Paulo onde mora até hoje. A atleta conta que foi salva pelo esporte e pela madrinha, senhora Eloisa Galvão que lhe deu alimentos na época que passava necessidades, se não fosse pelas competições ela estaria até hoje nas ruas.

Tia Punk, como é conhecida no meio esportivo, foi abandonada pela mãe numa caixa de sapatos junto com a sua irmã gêmea na porta da FEBEM de São Paulo, estudou só até a primeira série, na qual repetiu por 11 anos, queria só brigar e não prestava atenção em sala de aula. “Aos dezoito anos quando sai da FEBEM fui trabalhar numa casa de família e após cinco dias de trabalho, furtei tudo que podia. Ao sair da casa com os produtos do furto ia passando o caminhão de Bombeiros pedi ajuda e eles me ajudaram a carregar os objetos roubados, sem saber que era furto”. Depois de sua saída da FEBEM, Tia Punk morou 20 anos nas ruas paulistanas, roubando, furtando, traficando e se drogando. Muitos anos viveu travestida de homem devido à uma tentativa de estupro. No dia do lançamento do filme Carruagem de Fogo, Tia Punk tinha feito um assalto e foi ao cinema assistir. Após o filme foi dormir no Hotel Ipiranga no centro da cidade onde teve uma paralisia facial devido à ingestão de muita droga. Acordou na manhã seguinte com a música do filme em sua cabeça e resolveu que iria deixar a vida de arruaceira e assaltante de lado para virar atleta. Foi onde conheceu o ex-secretário de Esportes de São Paulo Fausto Camunha, que tirou-a das ruas e colocou  a morar no Centro Olímpico de São Paulo, onde vive até os dias de hoje. Após uma série de exames, foi constatado que Animal estava com vermes e anemia crônica e foi diagnosticada que jamais poderia correr. “Para quem corria da polícia e das gangs, por que eu não iria correr? E mesmo contra a vontade dos médicos fui correr e hoje já participei de mais de 30 minimaratonas e várias outras competições e de todas elas eu trouxe troféus”. Tia Punk já participou de competições no Japão, Nova York e Las Vegas nos Estados Unidos, Inglaterra, Chile, Escócia e quatro vezes na Argentina. Na Escócia, conta ela, que ficou muito curiosa vendo os escoceses tocando gaita de fole dançando com o kilt (saia escocesa), foi dançar e levantou a saia do dançarino para ver se eles usavam cueca. “Pra minha surpresa o cara estava pelado”, conta dando risada.
Através do atletismo Tia Punk foi das ruas para o mundo
Ana Luiza levanta todos os dias às quatro horas da manhã, faz aquecimento, várias seções de abdominais e após faz sua corrida diária, a atleta que hoje conta com o apoio da Confederação Brasileira de Atletismo e participa do Programa Bolsa Atleta, ficou na segunda colocação nos cinco mil metros no 20º Mundial de Atletismo Master no CETE, participou hoje nos 1.500 metros e participa do revezamento 4 x 400 no domingo dia 27 de outubro às 13 horas e 16 minutos.

Texto: Itagiba Vitorio MTB 15079, Jornalista Voluntário do WMA 2013
Fotos: Andrea Francis MTB 12010





De sin techo y traficante a atleta galardonada

“Empecé corriendo de la policía, después corrí en las calles, viví en la FEBEM dieciocho años, fui sin techo más de 20 años, traficante y ladrona, y ponga eso en el texto, porque no reniego mi pasado”. Así empezó la presentación de Ana Luiza dos Anjos Garcez, 51 años, conocida como Animal o simplemente Tia Punk, natural de São Paulo donde vive hasta hoy. La atleta cuenta que fue salva por el deporte y por su madrina, Eloísa Galvão, quien la dio comida en la época que pasaba necesidades. Si no fuera por las competiciones, ella estaría en las calles hasta hoy.

Tia Punk, como es conocida en el medio deportivo, fue dejada por su mamá en una caja de zapatos junto a su hermana gemela en la puerta de la FEBEM de São Paulo. Estudió solo hasta el primer año, que repitió por 11 veces. Quería solo pelear y no prestaba atención en la clase. “A los 18 años, cuando salí de la Febem, fue trabajar en una casa de familia y después de cinco días de trabajo, robé todo que podía. Cuando salí de casa con las cosas del robo, pasaba el camión de Bomberos. Pedí ayuda a ellos y me ayudaran a cargar los objetos del robo sin saber su origen”. Después de su salida de la FEBEM, Tia Punk vivió 20 años en las calles de São Paulo robando, traficando y usando drogas. Muchos años vivió travestida de hombre a causa de un intento de violación. En el dia del estreno de la película Carros de Fuego, Tia Punk había hecho un robo y fue al cine ver la película. Después, fue a dormir en el Hotel Ipiranga, en el centro de la ciudad, donde tuvo una parálisis facial a causa de la ingestión de mucha droga. Se despertó en la mañana siguiente con la música de la película en su cabeza, y decidió que iba a dejar la vida del crimen para ser atleta. Fue donde conoció el ex secretario del deporte de São Paulo, Fausto Camunha, que la sacó de las calles y la puso viviendo en el Centro Olímpico de São Paulo, donde vive hasta hoy. Después de una serie de exámenes, fue constatado que Animal estaba con vermes y anemia crónica, y fue diagnosticado que jamás podría correr. “Para quien corría de la policía, porque yo no iba a correr? Y mismo en contra la voluntad de los médicos, fui correr y hoy ya participé de más de 30 minimaratóns y muchas otras competiciones, y de todas, traje trofeos”. Tia Punk ya participó de competiciones en Japón, Nueva York, Las Vegas, Inglaterra, Chile, Escocia y cuatro veces en Argentina. En Escocia, cuenta ella, estaba muy curiosa con los escoceses tocando la gaita y bailando con el kilt (falda escocesa), fue danzar y levantó la falda del bailarino para ver si llevaban calzoncillos. "Para mi sorpresa, estaban en bolas", cuenta, riéndose.

Ana Luiza se despierta todos los días a las cuatro de la mañana, hace calentamiento, muchas series de abdominales y después, su corrida diaria. La atleta que hoy tiene el apoyo de la Confederação Brasileira de Atletismo y participa del programa Beca Atleta, fue la segunda en los 5000m en el 20º Mundial de Atletismo Master en el CETE, participó hoy de los 1500m y participa del Relevo 4x100 el domingo, 27 de octubre, a las 13h16min.

Trad.: Soraya Bertoncello

PÓDIO BI CENTENÁRIO / Podio Bicentenario


No pódio, comemoração e hino argentino
Atletas laureados em um pódio com quase duzentos anos. Assim estava constituído o local da premiação da corrida de 800 metros: medalha de ouro Lorenzo Escobar com 99 anos e medalha de prata Efrain Wachs de 95 anos, ambos representando a Província de Tucumã na Argentina.
Depois da corrida dos 800 metros um descanso e muita água
No 20º Campeonato Mundial de Atletismo Master, Lorenzo conquistou a medalha de ouro nos 800 e ficou com a prata nos 100, 200 e 400, já Efrain ganhou três ouros nas provas de salto em distância, salto triplo e nos 1500 metros, além de prata nos 800m, no arremesso de peso, no lançamento de dardo e de disco e ainda conquistou bronze nos 100, 200 e 400 metros. Os dois atletas lamentam a ausência de mais dois atletas (um de 96 e outro de 99 anos) da sua província que não puderam participar do Mundial de Atletismo Master devido a  lesões.
Os jovens centenários posando para a imprensa
Lorenzo e Efrain estão criando o Instituto Vivamos 100 Anos em Tucumã, que incentiva as pessoas com mais de 60 anos a praticarem esportes, visto que na província muitos já passaram dos cem. Uma curiosidade que eles contam: quando uma pessoa em sua província faz cem anos, o aniversariante recebe a visita e presentes do Governador.

Texto: Itagiba Vitorio MTB 15079/RS, Jornalista voluntário no WMA 2013.
Fotos: Itagiba Vitorio e Laura Blessmann
________________________________________________
Podio Bicentenario

Atletas galardonados en un podio con casi doscientos años. Así estaba el local de la premiación de la corrida de los 800m: medalla de oro a Lorenzo Escobar, 99 años, y medalla de plata para Efrain Wachs, 95 años, ambos representantes de la provincia argentina de Tucumán.

En el 20º Campeonato Mundial de Atletismo Master, Lorenzo logro la medalla de oro en los 800m, y la plata en los 100, 200 y 200. Ya Efrain ganó tres oros en las pruebas de salto en longitud, salto triple y en los 1500m, además de la plata en los 800m, en el lanzamiento de peso, en el lanzamiento de jabalina y de disco. Aun recibió el bronce en los 100m, 200m y 400m. Los dos atletas lamentan la ausencia de más dos atletas (uno de 96 y otro de 99 años) de su provincia, que no pudieron participar del Mundial de Atletismo Master a causa de lesiones.


Lorenzo y Efrain están creando el Instituto Vivamos 100 Años en Tucumán, que incentiva la gente con más de 60 años a la práctica deportiva, puesto que en la provincia, muchos ya pasaron de los cien. Una curiosidad que cuentan: cuando un tucumano cumple cien años, el cumpleañero recibe la visita y regalos del Gobernador.

Traducción: Soraya Bertoncello

MARIA ALVES: EXPERIÊNCIA E TÍTULOS PARA O BRASIL / Maria Alves: experiencia y titulos para Brasil


A experiência servindo o Brasil
Maria Corrêa Alves 88 anos, nascida em 14 de outubro de 1932 na cidade de Guaçuí-Es, iniciou a correr com 56 anos. Atualmente mora no Rio de Janeiro. Na infância gostava de atletismo, competiu na escola nas séries iniciais, mas acabou abandonando por ser de família muito pobre e não ter incentivo. Em seguida casou-se e passou a dedicar-se a casa e aos seus cinco filhos. Hoje acorda antes das 7h já para treinar. Seu treino é alternado entre 15 tiros de corrida de 100 metros com outros 100 de caminhada na rua. A aposentada ainda encontra tempo e muita disposição para fazer crochê e dar atenção a cinco filhos, 12 netos e seis bisnetos.

No Mundial de Atletismo Master no CETE, Maria que é a atleta brasileira mais idosa, ficou com a medalha de bronze nos 800 metros e no dia 26 de outubro corre os 400 metros.

“Nós que temos certa idade, não podemos esperar!” - suspira apaixonada pela correria do dia a dia.

Correu a sua primeira maratona aos 60 anos. De lá para cá já foram mais de trinta, entre as quais, enumera algumas. Participou no Rio, Blumenau, Chile, África do Sul, Finlândia. “Em Nova York participei duas vezes, a primeira foi em 1999 com o prêmio que ganhei na maratona do Rio e a segunda foi em 2000, com ajuda da família. Em 2001 eu estava pronta para ir à minha terceira e aconteceu o ataque às torres gêmeas”, conta. Além das maratonas, Maria já participou de oito Mundiais de Atletismo Master.

“Na maratona são 42 quilômetros e 185 metros” - pontua ela. “Já estive entre as quatro corredoras de maratona mais idosas do mundo”.
Durante aquecimento na pista do CETE

Maria Alves é uma atleta diferenciada que não aceita patrocínios e nem ajuda de empresas para participar de competições de atletismo. “Eu corro por prazer e não gostaria de correr por obrigação, de ter que mostrar resultados e levar medalhas para patrocinador, já tive propostas de várias empresas de nome, mas recusei todos os patrocínios, aqui mesmo no Mundial de Atletismo Master tem gente que passa mal e dá até dor de barriga, porque não conseguiu resultados para mostrar ao patrocinador. Eu estou livre disso! Faço porque gosto e quero morrer correndo” – completa envaidecida.

Mas nem tudo são flores na vida da aposentada. No ano de 2009, no Mundial de Atletismo Master na Finlândia, na competição de Cross Country, ela raspou a perna em uma vegetação da região e contraiu erisipela bolhosa (é um tipo de erisipela mais grave, que se caracteriza por uma ferida avermelhada e extensa, causada pela penetração de uma bactéria chamada Streptococcus Beta-hemolític, através de pequenas fissuras na pele). Os médicos queriam amputar a sua perna direita no mesmo dia quando constataram a erisipela, mas para sua sorte, uma de suas filhas a estava acompanhando e conseguiu trazê-la para o Brasil, onde fez noventa seções de oxigênio terapia até cicatrizar a perna. No final das seções Maria Alves já estava curada. E no ano seguinte, lá estava ela participando do Sul Americano de Atletismo Master e conquistando medalhas para o Brasil.

Maria Alves já participou de todas as modalidades de corrida no atletismo. “Participei em pista dos 100, 200, 400, 800, 1500, 5 mil e dez mil metros, e nas provas de campo nos 10, 15, 21, e 30 mil metros, além da maratona de 42 mil metros que é o meu xodó”, completa a super atleta.

Texto: Itagiba Vitorio MTB 15079/RS, Jornalista voluntário no WMA 2013.
Fotos: Caroline Vanzella
_____________________________________

MARIA ALVES: EXPERIENCIA Y TITULOS PARA BRASIL

Maria Corrêa Alves, 88 años, nacida el 14 de octubre de 1932 em Guaçuí, estado de Espirito Santo, empezó a correr a los 56 años. Actualmente, vive en Rio de Janeiro. En su infancia, le gustaba el atletismo, compitió en la escuela em los años iniciales, pero terminó  por dejar el deporte porque su familia era pobre y no tenía incentivos. Casó y pasó a dedicarse a su casa y a sus cinco hijos. Hoy, se despierta antes de las 7h para entrenar. Su práctica es alternada entre 15 corridas de 100 metros y otros 100 metros de caminada por la calle. La jubilada aun encuentra tiempo y mucha disposición para hacer croché y dar atención a sus cinco hijos, 12 nietos y seis bisnietos.

En el Mundial de Atletismo Master en el CETE, Maria, que es la atleta brasileña con más edad, recibió una medalla de bronce en los 800 metros, y el 26 de octubre, corre los 400 metros.
“Nosotros que tenemos una cierta edad, no podemos esperar”, suspiró esa apasionada por la correría del día a día.

Maria corrió su primer maratón a los 60 años. Desde entonces, ya fueron más de treinta, entre las cuales, en Rio de Janeiro, Blumenau, Chile, África del Sur y Finlándia. “En Nueva York participé dos veces, la primera en 1999 con el premio que recibí en el maratón de Rio, y la segunda en 2000, con ayuda de mi familia. En 2001, estaba lista para ir una tercera vez, pero aconteció el ataque a las torres gemelas”, cuenta. Además de los maratones, Maria ya participó de ocho Mundiales de Atletismo Master.
“En el maratón son 42 quilómetros y 185 metros” – apunta ella. “Ya estuve entre las cuatro corredoras de maratón más viejas del mundo”.

Maria Alves es una atleta diferenciada, que no acepta patrocinios ni ayuda de empresas para participar de competencias de atletismo. “Yo corro por placer, y no me gustaría correr por la obligación de llevar resultados y medallas para patrocinadores. Ya recibí propuestas de varias empresas nombradas, pero recusé todos los patrocinios. Aquí mismo en el Mundial, hay gente que pasa mal y hasta tiene dolor de barriga porque no logró resultados para llevar a su patrocinador. Yo estoy libre de eso! Hago porque me gusta y quiero morir corriendo”, completó.

Pero ni todo son flores en la vida de esa jubilada. En 2009, en el Mundial de Atletismo Master en Finlandia, durante la competición de Cross Country, ella raspó su pierna en una vegetación de la región, y contrajo erisipela bullosa (es un tipo de erisipela más grave, que tiene como característica una herida roja y extensa, a causa de la penetración de una bacteria llamada Streptococcus Beta Hemolitic, a través de pequeñas fisuras en la piel). Los médicos querían amputar su pierna derecha en el mismo día cuando descubrieron la erisipela, pero para su suerte, una de las hijas la estaba acompañando y logró traerla para Brasil, donde hice 90 secciones de oxigenoterapia hasta cicatrizar la pierna. Al final de las secciones, Maria Alves ya estaba curada. Y el año siguiente, estaba participando del Sudamericano de Atletismo Master y conquistando medallas para Brasil.


Maria Alves ya participó de todas las modalidades de corrida en el atletismo. “Participé en pista de los 100m, 200m, 400m, 800m, 1500m, 5 mil metros y 10 mil metros, y en las pruebas de campo, participé de los 10, 15, 21 y 30 mil metros, además del maratón de 42 mil metros, que es mi pasión”, completó la súper atleta.